os filhos da droga

A maioria dos livros que gosto de ler retratam temas diversificados e, por vezes, pesados. Ocasionalmente orgulho-me de conseguir acabar um romance. Mas, por qualquer razão que me escapa, tenho andado a fugir desse género de livros. Interesso-me mais agora por um vasto conjunto de temas, que vão desde a comunicação humana aos policiais.

Isto para dizer que quando nas minhas férias fiquei sem o que ler, dei um saltinho à Feira do Livro que havia na localidade onde estava e arrisquei a comprar Os Filhos Da Droga. Foi um risco porque já tinha ouvido falar imenso dele ao crescer - e muito bem até -, mas nunca me interessei pelo tema. Até que entre imensos livros à escolha foi o que mais me chamou à atenção.

ilustração feita por mim

Os Filhos da Droga, conta o relato de Christiane F., uma miúda de apenas 12 anos que se envolveu no mundo das drogas e da prostituição. A história em si é chocante. É o mais ainda ao depararmo-nos com as páginas que indentificam os amigos de Christiane que não sobreviveram à era da heroína e as que expõem a perspetiva de Christiane em relação à sociedade. É desconcertante o quanto nos conseguimos identificar com a personagem principal, mesmo tendo tomado decisões totalmente opostas às da personagem - o sentimento de revolta para com o mundo, aquela estranha sensação de não pertencer a nenhum grupo e a desorientação / dúvida em relação ao futuro.

O livro apresenta, também, a perspetiva da mãe e de alguns educadores que viram na história de Christiane um exemplo de como o combate às drogas estava a ser mal encaminhado, uma vez que  os jovens sentiam-se cada vez mais marginalizados e abandonados - e até certo ponto, impotentes. Sendo que, para mim, o modo como os adultos tomaram conta do problema, foi parte do problema. A informação e a ajuda disponibilizada pelo governo para estes casos era escassa e incompetente, os pais não tinham mãos a medir e os adolescentes isolavam-se cada vez mais nesse mundo paradisíaco das drogas.

Em síntese, e através do discurso na primeira pessoa de Christiane (escrita eloquentemente por dois jornalistas), tomamos consciência de uma dura realidade, aprendemos a "desromantizar" as drogas e testemunhamos a perda da infância de uma geração que procurava escapes e sensações fortes através de uma das drogas mais devastadoras, a heroína.

Pontuação: 4 de 5 estrelas (Goodreads)

6 comentários:

  1. Ultimamente tenho ouvido falar muito desse livro e quero imenso ler, será com certeza o próximo! Já leste também "O fim da inocência"? If not, aconselho vivamente

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não li, mas conheço quem o tenha feito e também o recomende. Vou adicionar à minha lista de leitura. Obrigada! (:

      Eliminar
  2. Este livro é um dos meus favoritos, nunca me canso de o ler e reler vezes sem conta!

    ResponderEliminar
  3. Li-o este ano e fiquei transtornada. Quase todos os que são mencionados no livro já faleceram e a Christiane está muito doente. Ela própria admitiu que pode morrer a qualquer momento :(

    ResponderEliminar
  4. Já li este livro à uns aninhos atrás, digamos quando estava no meu 10ºano (já foi à 4 ou 5 anos) e li-o no momento certo da minha vida, no tempo certo.
    É um livro mesmo muito bom que nos alerta para a realidade do mundo das drogas, foi sem duvida um dos meus favoritos!
    Adorei o teu blog querida, conheci-o pelo post da Mónica Silva e já estou a seguir :)

    Beijinho,

    Facebook
    BLOG - VOCHEL
    Instagram

    ResponderEliminar
  5. A primeira vez em que me aventurei nesta leitura foi, exatamente, quando tinha 13 anos. Estava no supermercado e o título do livro saltou-me logo à vista. Adquiri-o, recordo-me de que o tinha lido até 1/4 do mesmo, mas acabei por deixá-lo de lado, até fevereiro deste ano. Graças ao #RRSP17, consegui terminar esta leitura e senti-me revoltada pelo facto de certas providências não terem sido tomadas, o que poderiam ter evitado a morte de muitos jovens!

    "Os filhos da droga" é aquele tipo de livro que toda a gente deveria ser, sejam elas jovens ou mais velhas. E ainda bem que gostaste da leitura!
    Beijinhos!

    LYNE

    ResponderEliminar